Equinos App

1 2 3 4 5

Salto

Salto

No salto o objetivo é completar o percurso de obstáculos, dentro no menor tempo possível (ou, dependendo da categoria, com a maior aproximação possível do tempo ideal, e com o mínimo de faltas.

O conjunto é penalizado quando:

 - Derrubar um obstáculo e por um pé na água ou qualquer marca na cinta que define os limites do obstáculo ”rio” no seu lado de recepção;

 - Uma desobediência:
    refugo - quando um cavalo pára na frente de um obstáculo que deve saltar, quer o tenha ou não derrubado ou deslocado.
    desvio - quando o cavalo escapa ao controle de seu cavaleiro e evita um obstáculo que deve saltar, ou uma passagem obrigatória pela qual deve passar.
    defesa - quando o cavalo se nega ao movimento para frente, faz um alto por qualquer razão, faz uma ou várias meias-voltas, mais ou menos regulares ou completas, empina ou recua por um motivo qualquer.

- Um círculo mais ou menos regular ou o grupo de voltas, em qualquer lugar da pista em que sejam feitas e por qualquer motivo que seja. É também considerado uma desobediência circundar o último obstáculo saltado, salvo se o plano de percurso indicar o traçado de tal forma;

- Um erro de percurso;

- A queda de um cavalo e/ou de um concorrente;

- Ajuda não autorizada - Qualquer intervenção física por um terceiro, entre a passagem pela linha de partida no sentido correto e a passagem pela linha de chegada após ter saltado o último obstáculo, solicitada ou não, com o objetivo de ajudar ao concorrente ou o seu cavalo;

- Ultrapassar o tempo concedido ou o tempo limite.

O hipismo passou a integrar os jogos Olímpicos em 1900, apenas na categoria de Saltos. O Adestramento e o CCE só entraram em 1912.

No começo do século 19, o hipismo, nas olimpíadas, se resumia em montar no cavalo e pular cerca. Não haviam seqüências de obstáculos (um percurso) e as competições eram feitas apenas por saltos em "distância" e "altura", que alguns anos mais tarde desapareceram com a introdução do CCE.

As primeiras modificações foram introduzidas em 1902, dois anos depois do esporte participar pela primeira vez de uma Olimpíada, e consta que foram introduzidas pelo italiano Federico Caprilli.

Ele introduziu cercas (em número de 15 e 20) seguidas uma das outras, criando assim o que chamamos hoje de "percurso".

Os militares dominaram as competições até 1952,  em função do intenso uso do cavalo em suas atividades diárias, quando essa hegemonia foi quebrada por um civil francês, Pierre Jonqueres d'Oriola, que ganhou a medalha de ouro em Helsinque.  

A primeira medalha entregue a uma mulher, foi em 1956, quando a inglesa Patrícia Smythe conseguiu um bronze por equipes.

 O esporte hípico passou a ganhar maior notoriedade na década de 30 com o aparecimento, em 1932 do atleta japonês Takeichi Nishi, num filme com Charlie Chaplin, Douglas Fairbanks e Mary Pickfold. O esporte então,  passou a ser divulgado nas telas de cinema de Hollywood, porém ficando limitado à elite da sociedade.O atleta faleceu  durante a Segunda Guerra Mundial, num ato suicida.

Em 1956 a hegemonia do esporte hípico foi amplamente assumida pela Alemanha, que mais tarde passou a dividi-la com os ingleses, que  desenvolveram técnicas avançadas de controle dos animais.

O Brasil passou a ter notoriedade apenas a partir da década de 90, principalmente através do "nosso" Rodrigo Pessoa, atual tri-campeão mundial.

Para maiores informações sobre o regulamento de salto acesse o site da CBH (Confederação Brasileira de Hipismo).

Fonte: http://www.hipismobrasil.com.br/modalidades/salto.asp 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Twitter

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *