Equinos App

1 2 3 4 5

Raça: Lusitano

Lusitano


Padrão da Raça

Tipo: Eumétrico (pesa cerca de 500 kg); mediolíneo; subconvexílineo (de formas arredondadas), de silhueta sempre inscritível num quadrado.

Altura: média na cernelha, aos 6 anos: Fêmeas 1,55m e Machos 1,60m

Pelagem: As mais apreciadas são a tordilha e a castanha, em todos os seus matizes.

Temperamento: Nobre, generoso e ardente, mas sempre dócil e sofredor.

Andamentos: Ágeis e elevados, projetando-se para frente, suaves e de grande comodidade para o cavaleiro.

Aptidão: Naturalmente concentrados, com grande predisposição para exercícios de Alta Escola, muita coragem e entusiasmo nos exercícios da gineta ― Combate, Caça, Toureio, Manejo de Gado etc.

Cabeça: Bem proporcionada, de comprimento médio, delgada e seca, de ramo mandibular pouco desenvolvido e faces relativamente compridas, de perfil levemente subconvexo, fronte levemente abaulada (sobressaindo entre as arcadas supraciliares); olhos sobre o elíptico, grandes e vivos, expressivos e confiantes. As orelhas são de comprimento médio, finas, delgadas e expressivas.

Pescoço: De comprimento médio, rodado, de crineira delgada, de ligação estreita à cabeça, largo na base, e bem inserido nas espáduas, saindo da cernelha sem depressão acentuada.

Cernelha: Bem destacada e extensa, numa transição suave entre o dorso e o pescoço, sempre mais levemente elevado que a garupa. Nos machos inteiros fica afogada em gordura, mas destaca-se sempre bem das espáduas.

Peitoral: De amplidão média, profundo e musculoso.

Costado: Bem desenvolvido, extenso e profundo; costelas levemente arqueadas, inseridas obliquamente na coluna vertebral, proporcionando um flanco curto e cheio.

Espáduas: Compridas, oblíquas e bem musculadas.

Dorso: Bem dirigido, com tendência horizontal, servindo de traço de união suave entre a cernelha e o rim.

Rim: Curto, largo, levemente convexo, bem ligado ao dorso e à garupa com a qual forma uma linha contínua e perfeitamente harmônica.

Garupa: Forte e arredondada, bem proporcionada, ligeiramente oblíqua, com comprimento e largura de dimensões idênticas, de perfil convexo, harmônico, e ponta das ancas pouco evidentes, conferindo à garupa uma secção transversal elíptica. A Cauda deve sair no segmento da curvatura da garupa, de crinas sedosas, longas e abundantes.

Membros: Braço bem musculado, harmoniosamente inclinado. Antebraço bem aprumado e musculado. Joelho seco e largo. Canelas sobre o comprido, secas e com os tendões bem destacados. Boletos secos, relativamente volumosos, e quase sem machinhos. Quartelas relativamente compridas e oblíquas. Cascos de boa constituição, bem conformados e proporcionados, de talões não muito abertos e coroa pouco evidente. Nádega curta e convexa. Coxa musculosa, sobre o curto, dirigida de modo que a rótula fique na vertical da ponta da anca. Perna sobre o comprido, colocando a ponta do curvilhão na vertical da ponta da nádega. Curvilhão largo, forte e seco. Os membros posteriores apresentam ângulos relativamente fechados.


Origem: Portugal

Altura: 1,60m.

Pelagem: tordilha, alazã ou castanha

O cavalo exibe um pescoço forte e cernelha reentrante. O corpo é curto; o dorso e o lombo, poderosos.

Originário de Portugal, o lusitano herdou a coragem dos seus ancestrais andaluzes, cruzados com uma raça nativa, habitante de uma região montanhosa, que lhe transmitiu robustez e linhas curtas. Muitos criadores procuraram aproximar ainda mais seus produtos do tipo andaluz, fazendo com que o cavalo lusitano quase desaparecesse. Sua extraordinária aptidão ao trabalho com o gado fez com que as autoridades portuguesas, aconselhadas por excelentes escudeiros como Nuno Oliveira, procurassem preservar as particularidades da raça.

Cavalo forte e corajoso, o lusitano é uma montaria fantástica, muito útil aos vaqueiros, que desenvolveram uma técnica de tombar um touro – para marcá-lo a ferro quente ou tratá-lo – empurrando sua espádua com uma longa lança de ponta arredondada.

De crescimento lento, esse cavalo é igualmente apto aos ares da alta escola, mas não deve ser montado muito jovem.


Fonte: Enciclopédia Larousse dos Cavalos 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Twitter

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *