Equinos App

1 2 3 4 5

Apartação

Apartação

O animal de apartação é muito útil em um rancho ou fazenda, pois no trabalho diário se faz necessário à execução de tarefas como manejo com o gado.
Um exemplo é apartar do rebanho um animal que está doente para ser tratado, medicado, ou para outra finalidade.

Essa necessidade ficou evidente, e também a utilização de animais que no exercício de suas funções o faça com competência.

Entretanto dentro de uma competição as regras para os campeonatos se fazem necessárias  para  um  correto   julgamento   do   animal  e  para   um   melhor entendimento de como se deve ser um animal de apartação.

Animal e cavaleiro  devem  se  mover  calmamente  para  dentro  do  rebanho, apartar uma rês e dirigí-la ao centro da arena e mantê-la afastado do rebanho.

Coloca-se o animal frente a rês, numa batalha de desejos.

COW SENSE: "senso do gado", que é a habilidade do animal  de  apartação  de auto-pensar e auto-manobrar um boi.

O cavaleiro ou amazona de apartação deve combinar  seus  movimentos  com o movimento da rês, antecipando todas as suas manobras.

O juiz atribui nota ao animal pela sua habilidade de impedir  a  rês  de retornar ao rebanho, senso do gado, coragem e atenção.

A nota varia de 60 a 80 pontos, e o competidor inicia com 70 pontos.

Hoje no Brasil temos excelentes produtos e linhagens consagradas inclusive no exterior,  que vem  se destacando e consagrando-se,  (obtendo   resultados   e expressivas  premiações em dinheiro).

HISTÓRIA


No dia 17 de abril de 1989, um grupo de  pioneiros  na  criação  de  cavalos  de apartação fundava a ANCA - Associação Nacional de Cavalos de Apartação, com o intuito de promover a modalidade no Brasil.

As  primeiras  realizações  da  ANCA  foram  o  Futurity,  Derby  e  o  1º  Leilão Nacional de Cavalos de Apartação - que oferecia  46  produtos,  entre  ventres, coberturas e cinco éguas importadas pela associação. O presidente, então, era José Carlos D. Miranda.

A criação da ANCA começou a render frutos em apenas  três  anos, com o Brasil começando a mostrar seu talento em competições internacionais.

Em 1992, o cavaleiro Víctor Amaury conquistou  o  título  de  Campeão  Mundial Amador,   enquanto   a   equipe   conquistava   a   terceira   colocação,   no  1º International  Cup,  promovido  pela  National  Cutting  Horse  Association,  na cidade de Houston, Texas.

Os  vice - campeonatos  mundiais  de  Juan  Carlos  Perez  Martinez  (categoria aberta)  em 1993 e de  Adalgisa Cotrim (categoria amador), em 1994  puderam reafirmar o talento brasileiro na modalidade. Mas os cavaleiros queriam mais e, também em  1994, Haroldo de Araujo Pessoa Sobrinho,ficou em 1°nos três dias de competição individual. Haroldo ainda ocupou a 2ªposição no Campeonato de 1997.

Importante proeza também conseguiu o treinador Gerson  Almeida  dos  Santos (Mano), que participou de todas as provas da ANCA "Potro do Futuro" tendo  se classificado para as finais em todas elas.    Tornando-se  assim  Campeão  nos anos de 1994 e 1996 e reservado Campeão em 1997 e 2002.

Recentemente o mesmo treinador conseguiu marcar a maior nota da historia da ANCA (78) com o cavalo SON OFA JAY (Mr. Jay Bee Dee (Son Ofa Doc) na  egua Sporty  Lil  Peppy  (Peppy San Badger),   de   propriedade    Gilberto     Antonio Germano, durante  a  realizacão  das  eliminatórias  do  Super  Stakes  Classic, disputada em Uberlandia nos dias 23 e 24 de janeiro de 2003.

Na  oportunidade  também  a  maior  nota  (77)  foi  conquistada  na  categoria Amador,   pela  egua  KENBEYOURLOVE  (Ken Pep Playboy/Dual Pep)  na  egua Leona's Quixote(Doc Quixote), montada pelo seu proprietario  Eronides  Neves Filho.

Mesma nota  (77)  foi conseguida pelo garanhão Paint Horse  A  DELTA OUT OF DIXIE (Brigalenas Delta) por Delta Flyer em égua (Dixie O`lena),  montado  por Carlos Antonio Cotrim de Souza na categoria ABERTA.

Fonte: http://www.anca.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Twitter

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *